Praticar a Umbanda sem a Influencia do Kardecismo ou Candomblé

Por: Ricardo Chioro

A Umbanda tem tudo o que ela necessita para sua pratica, não precisa de unir com outras crenças, pois elas muitas vezes diferenciam da Umbanda, o que muitas gente não percebe.

A Umbanda é universalista, o que não significa que não haja diferença entre as religiões.

Para o Kardecismo o uso de elementos materiais como o fumo, as velas, rituais e etc. são materialismos e de uso de entidades menos evoluídas.

Muitas pessoas que unem o Kardecismo com a Umbanda abdicam o uso desses materiais, os colocando como coisas de pouca evolução.

Na verdade é o contrario, são as entidades mais evoluídas que necessitam desses materiais, no nosso texto Chico Xavier quebrando Mitos encontramos na obra de Chico bases para entidades iluminadas usarem o materiais.

No final do filme do Chico, onde passa os créditos finais mostra algumas cenas do programa Pinga Fogo que participou, justamente no momento em que ele diz que quando os católicos estão em uma vibração de fé na igreja, no momento em que recebem a hóstia, (que é um elemento material) aparecem seres santos, que abençoam aquele material e eles tomam a forma (espiritual) em que parecem flores de luz.

Seres santos são seres iluminados, Mestres Ascensos, Mestres da Luz, seres de muita evolução que não necessitam mais reencarnar, tem a energia muito sutil, e justamente por terem a sua energia muito sutil necessitam do uso de certos materiais para tornar a sua energia mais densa, porque estamos no plano material, que é extremamente denso, e uma energia muito sutil não nos atinge, não podendo nos beneficiar.

O uso dos materiais permite que a energia da entidade nos atinja, podendo trazer autoconhecimento, equilíbrio, positivismo, vibração elevada, alegria, felicidade, eliminar ou diminuir emoções ruins e etc. Caso contrario não.

Na obra de Chico ainda podemos notar outra parte que aborda o uso de materiais, e é no Livro Nosso Lar, onde André Luiz (um espírito) foi curar o marido de sua ex-esposa, que estava doente, para isso ele usou a água que já se encontrava no quarto dentro de uma jarra, emanando luz na água, ainda através do sonho mandava que o doente a bebesse.

No Kardecismo médicos espirituais usam elementos físicos e os espíritas não percebem, como o uso do esparadrapo, tesoura, bisturi e etc.

O Kardecismo é uma religião cristã e muitas vezes as pessoas que são atendidas pela Umbanda não são, podem vir budistas, judeus, muçulmanos em uma ora difícil querer buscar um consolo, e se usar uma linguajem cristã talvez não atinja a realidade delas, eles podem não acreditar.

A Umbanda é universalista.

Já no caso do Candomblé se pratica o sacrifício de animais, muitas pessoas não sabem, mas essa não é uma pratica umbandista.

No Candomblé se acredita que é necessário o sacrifício de animais para conseguir determinados fins, na Umbanda não, as coisas podem ser resolvidas com o uso de materiais e praticas mais simples.

O problema do sacrifício de animais é que essas praticas são muita mal faladas pelos espíritas e protetores dos animais, e dão muito mais trabalho, poderiam ser resolvidas de forma mais simples.

Certa vez me contaram que em uma aula, uma pessoa disse que em um atendimento na Umbanda, uma pessoa estava com um problema sério que poderia ser resolvido com uma única vela pelo mentor, mas o atendido não acreditava nisso, acreditava no sacrifício de animais, então teve que matar o bicho para poder ser beneficiado.

Para o médium começar a não utilizar o sacrifício, tem que acreditar que os problemas podem ser resolvidos de outra maneira.

Também no Candomblé existe um investimento muito grande em roupas muito bonitas e caprichadas para a pratica religiosa, para a Umbanda não se faz isso.

É muito caro os elementos como velas que tem que comprar para a pratica na Umbanda, é melhor investir nisso.