Preconceito contra a Umbanda é Apenas Preconceito

Por: Ricardo Chioro

Preconceito é um conceito formado em julgamentos errados, sem o verdadeiro conhecimento.

Agente sabe que o lugar dos Caboclos da Umbanda reencarnarem geralmente é em tribos indígenas porque pertencem a raça vermelha, porem muitas vezes também podem ter reencarnado em outras raças.

Um espírita certa vez disse que nascer em uma tribo africana ou indígena, pela falta de recursos tecnológicos significa falta de merecimento, e os mentores jamais poderiam passar por isso porque tem muito merecimento e são muito espiritualizados.

Se fosse assim então Chico Xavier e Jesus Cristo por serem muito pobres e não terem recursos também não podem ser mentores e espiritualizados? Eles não teriam merecimento?

É puro preconceito contra a Umbanda, pessoas espiritualizadas também nascem em lugares pobres, podem nascer em ricos também.

Diversos santos e iluminados nasceram em lugares pobres.

Mentores reencarnam em tribos também para ajudar naqueles locais, e os Caboclos, Pretos Velhos e Guardiões são mentores.

Outra vez, um escritor espírita disse que os pretos velhos achavam que eram escravos dos homens brancos, e por isso vinham ajudar nos centros e terreiros.

Essa pessoa certamente nunca foi a um lugar Umbandista, porque os Pretos nunca agem como escravos, muito pelo contrario, são eles que orientam o que deve ser feito, e não os médiuns, os Caboclos também.

Também não tem como um encarnado escravizar um espírito, isso só pode ser feito com ágüem do plano físico. Não tem como apontar uma arma, ameaçar, chicotear ou fazer algo para um espírito que o obrigue a fazer a se submeter a nós.

Outro preconceito que falaram dentro do Espiritismo, e dessa vez foi extremo, é que as entidades da Umbanda não são espíritos.

Eu li dois livro, um dizia que o que o Espiritismo chama de Espírito é equivalente ao que se chama de corpo divino no Misticismo, o Ataman, já em outro livro, dizia que era equivalente aos outros 4 corpos: Corpo mental, da vontade, da consciência e divino.

Todas as pessoas tem o divino dentro delas, seja uma planta, um minério, um animal e etc. até mesmo um espírito ruim, porque destituir um espírito da Umbanda de seu espirito?

Dentro da crença de algumas escolas da Grande Fraternidade Branca se diz que a mediunidade é prejudicial, e deve-se evitá-la ao maximo.

Essas pessoas que acreditam nisso, nunca tiveram contato com um médium e puderam perguntar como eram suas vidas antes e depois da mediunidade, se o fizessem poderiam questionar e achar que sua crença estava errada, porque o que acontece muitas vezes é que a vida melhora, pois passam nós acompanhar diversos espíritos que ajudam as pessoas.

Também se não melhorar, não piora.

Saiu um livro na crença da Grande Fraternidade Branca, chamado o livro de ouro de Saint Germain, onde se refuta diversas crenças como mediunidade, astrologia e etc.

Eles dizem a Astrologia não é verdadeira, somente a Astrologia ensinada nessas escolas.

Porque você acha que criaram um livro assim?

Certa vez uma pessoa disse que incorporação é possessão, a confundindo com espíritos ou demônios que se apossam da pessoa sem a vontade dela.

Incorporação não é possessão, as pessoas que tem esse tipo de mediunidade, escolheram isso antes de encarnarem no Plano Espiritual superior, ou seja: o Céu.

Decidiram isso junto com espíritos com equipes espirituais do bem, que iram trabalhar junto deles, praticando o bem, a caridade.

Falaram que os pretos velhos são espíritos que não tem merecimento de ter um corpo astral bom, mas sim um corpo de velho, com dificuldades para andar e etc.

Os pretos velhos não são de espíritos com a aparência velha, eles se apresentam dessa maneira, pois na formação da Umbanda decidiram se apresentar dessa maneira, porque tem haver com o que eles representam. Velho representa a sabedoria, velhos é o arquétipo da sabedoria, e a outra parte é a simplicidade.

Em um livro de um autor espírita, não umbandista, um espírito que narrava suas vivencias, contou que uma entidade com aparência jovem, junto que ele e outros foram fazer diversos trabalhos benéficos no astral, depois eles foram para um centro de Umbanda na terra, e esse espírito tomou a forma de um idoso e foi incorporar, era um Preto Velho.

Esse livro chama-se: Tambores de Angola. 

Quem acha que Pretos Velhos, Caboclos e Guardiões principais são seres de pouca evolução, nunca foi a um centro e viu o carinho, o amor que somos tratados por eles.

Muitos preconceitos contra a umbanda são acabados no atendimento, quando vemos eles nos tratam muito bem e falam coisas muito boas.

O médium sofreu perseguição por escrever esse livro, por ser um autor espírita.

Na Umbanda usa diversos elementos como ervas e fumos.

O fumo não é para sustentar o vicio da entidade, muito diferente disso, é para que a energia da entidade chegue até a pessoa, positivando-a, trazendo autoconhecimento, por isso ela sopra o a fumaça do cigarro ou charuto na cabeça ou no corpo do atendido, e o correto é que não trague a fumaça, só deixe na boca e não puxe para dentro do corpo, apesar de que médiuns fumantes fazer isso.

As entidades não são fumantes.

Também ocorre a critica com o uso de bebida alcoólica nessa religião, é para a energia dos trabalhos espirituais.

A bebida não é porque a entidade seja alcoólatra ou queira consumir álcool.

O álcool é muito calórico e serve de combustível para o carro, também serve de combustível para trabalhos espirituais.

Todo o álcool consumido serve de energia para o trabalho espiritual, o uso a mais é porque o médium fez coisa errado, e como a bebida tem que ser toda consumida, não fica com nem o cheiro da bebida no médium.

Outro preconceito é com os marinheiros, que são entidades que incorporam e ficam andando para frente e para traz, como se estivessem em um navio no mar em alta correnteza.

Se portando dessa maneira pessoas dizem que essas entidades estão assim porque estão bêbadas, e eu acho que elas nem consomem álcool.

Os marinheiros andam para frente e para traz, para criar ondas eletromagnéticas aquáticas que limpam e beneficiam espiritualmente os atendidos. 

E para quem é contra umbanda sacrifício de animais, isso não é da umbanda, é uma prática do candomblé, em muitos lugares misturam candomblé com umbanda, em outros kardecismo com umbanda.

Outro espírita disse uma vez que as entidades umbandistas darem seus nomes era o ego delas, disse que tem apenas que falar que são uns irmãos que vem ajudar.

Então Emmanuel assinar as obras de Chico Xavier é ego? Outros espíritos na obra de Chico colocarem sua autoria é ego? Os diversos espíritos colocarem seus nomes nas obras é ego?

Os espíritas dizem muito peça para Jesus.

Na Umbanda pedimos para as entidades conhecidas, então dar o nome de Jesus também é ego?

Quando Jesus estava ensinado seus discípulos no ritual colocar um pedaço de dão na boca, que seria a hóstia, e disse fazer isso em memória de mim é ego?

Quando Jesus disse pregar em meu nome é ego?

Se necessitamos de ajuda, e uma entidade da Umbanda se ofereceu para nos ajudar, como vamos fazer para chamá-la em oração se não temos o nome dela?

Ou ainda: um nome é ajuda a você ter ligação emocional, afetiva com a entidade.

Recebemos todo o carinho, amor e ajuda, forma uma ligação afetiva, então afeto é ego?

Resposta: claro que não, afeto é amor.