Revelações sobre um Jesus que é Humano

Por: Ricardo Chioro

Depois de escrevermos os textos:  O Evangelho de Tomé, Esquecimento na Encarnação dos Iluminados e Manipulações do Poder no Catolicismo podemos abordar o assunto de um Jesus humano, esses outros três textos são complementares e muito importantes para o que vamos falar, recomendamos enfaticamente a leitura deles.

O Catolicismo criou que Jesus era o próprio Deus, dando máxima importância para o Cristianismo, pois seu fundador foi o próprio criador de tudo o que existe.

Quando Cristo teria que ser crucificado, rezou para Deus para que ele não tivesse que passar por aquilo, mas tinha.

Se ele realmente era Deus, qual a lógica dele rezar para outro ser e pedir para que aquilo não ocorresse com ele?

Se ele fosse Deus, não precisaria rezar, pedir, era só tirar aquilo de seu caminho e pronto.

O Catolicismo foi a primeira religião cristã que existiu, se tornando o primeiro a estabelecer a realidade cristã, a religião Evangélica, Protestante, surgiu como uma reforma ao Catolicismo, bebendo de muito o que existe na crença apostólica romana e refutando algumas coisas.

Quando o Espiritismo foi criado quase que só existia para o seu Codificador, Allan Kardec, mais os três médiuns que existiam na época, que participaram da codificação, o Catolicismo e o Evangelismo, para beberem como fontes religiosas, e eles eram católicos e evangélicos.

Codificador é quem estabelece os fundamentos para um pensamento vigente, seja ele religioso, ou filosófico, ou outro.

Não é de espantar que o Espiritismo seja cristão, quando um espírito passa informações de outra formação religiosa para um médium espírita, ele é reprimido na hora, pois o espírita tem a fé no Cristianismo, sendo para ele a realidade verdadeira.

Animismo é o nome que se dá quando ocorre o erro no mediunidade, quando o espírito está passando informações através de um médium, mas acaba sem querer passando as informações que o médium acredita, e não a do espírito, isso acontece quase sempre quando o desencarnado está passando informações que vão contra a visão de mundo da pessoa que ele utiliza para passar o conhecimento.

Esse é um mecanismo mental do médium, e reafirmando para que se entenda bem, acontece sem querer, então uma pessoa bem intencionada pode errar.

Lembramos que os médiuns sofrem uma doutrinação também, não que isso seja errado, é bom, pois organiza a religião, e nessa codificação se aprende coisas muito boas, mas aprende coisas erradas também já criadas.

Você pode ver no nosso texto: Chico Xavier Quebrando Mitos que existem diferenças entre informações passadas por Chico Xavier e Allan Kardec, e esses são médiuns da máxima confiança dos espíritas.

Então se formou uma imagem sobre Jesus, e o Espiritismo absorveu também muito dessa visão, e outras religiões também.

Fizeram uma pesquisa com espíritas, e o resultado foi que maioria acreditava que Jesus era o próprio Deus.

Outros espíritas e até místicos acreditam que Jesus é o administrador do planeta terra, só que ele não é, essa visão dele ocupar o cargo mais importante da terra vem disso que o Catolicismo criou, que ele seria alguém da máxima importância.

Existem pessoas que dizem que Jesus é o ser mais evoluído do planeta terra, e outros que é um ser que já atingiu a perfeição.

O Esoterismo afirma que nada que encarna é perfeito, e Jesus encarnou.

Então quem foi Jesus?

Resposta: Foi alguém que se iluminou na vida em que o conhecemos por Jesus, se tornando um Mestre Ascenso, Mestre da Luz, Santo, Buda, esses são diferentes nomes para iluminados nas crenças esotérica, espírita, budista e católica.

O Mestre Ascenso Zé nos revela a passagem bíblica, que é escrita por parábolas, quando foi que Jesus se iluminou, que foi quando Cristo foi para o deserto e encontrou o demônio.

O demônio não era o ser espiritual que vive no inferno, mas o sim o simbolismo do próprio ego de Cristo, coisa que Jesus transformou, indo para uma realidade melhor.

Buda também quando se iluminou, em seu mito ou parábola, enfrentou um demônio, representação também do ego.

Quando autores falam da iluminação em crenças, entre elas católica, budista e esotérica, em todas elas existem os que falam que os iluminados são seres perfeitos, e outras que não são.

Existem ainda os que dizem que os Mestres Ascensos, os Santos, são onipotentes e oniscientes, capazes de qualquer coisa, como se fossem mesmo Deus, só que não são.

Inclusive no livro Teorias da Personalidade (dos autores Fadman e Franger) que aborda o tema da personalidade em diversas Psicologias, e em algumas filosofias orientais, traz uma frase do Buda em que ele diz que mesmo sendo um Buda, ainda tem coisas a aprender, então um iluminado não é onisciente, e nem onipotente, pois no mínimo ele não pode ir contra a lei de Deus.

O fato de alguém não ser perfeito significa que é passível de erros e defeitos, vamos dar um exemplo: Chico Xavier que era um Mestre Ascenso, tinha vaidade, usava peruca e no seu filme mostra isso, inclusive repórteres mal intencionados conseguiram falar mal dele, porque a vaidade do Chico impediu o espírito de Emmanuel de lhe avisar sobre esses repórteres. Ele se envolveu pela vaidade.

Abordamos mais o assunto dos mestres poderem errar e ter defeitos nos textos: O Esquecimento na Encarnação dos Iluminados e O Evangelho de Tomé - Ambos os textos contam com mais exemplo e explicações, para se aprofundar mais no assunto, indispensável para uma melhor compreensão.

Recomendamos enfaticamente O Evangelho de Tomé, porque fala de Jesus.

Mas os iluminados podem ter defeitos, mas mesmo assim são pessoas maravilhosas, caridosas, carinhosas, amorosas e etc.

Também não é porque eles podiam ter defeitos, que não eram muito sábios, eles eram sim, e muito.

Se Jesus era um Santo, como muitos outros Santos no Catolicismo, os ensinamentos desses outros Mestres da Luz da igreja apostólica romana também são importantes, pois são seres iguais a Cristo, mas se pensa na religião Católica em dar exclusiva importância para os ensinamentos bíblicos, muitas vezes esquecendo os ensinamentos dos outros Mestres Ascensos dessa mesma crença.

A Bíblia é feita pelos: antigo testamento, que o Espiritismo diz que eram os médiuns da época que o fizeram, e o novo testamento, que é sobre Jesus e os Apóstolos.

Só que existe toda uma bibliografia de seres que eram iguais a Jesus, e davam ensinamentos espiritualizadores, também deveria fazer parte da missa e que recomendasse a leitura da obra desses Santos, deveriam dar muita importância para isso, mas se pensa em iluminados para milagres, e não sobre seus ensinamentos.

A Bíblia em que conta os ensinamentos e vivencias do Cristo é escrita por parábolas. Parábolas são histórias que escondem verdades espirituais e existências, assim como a mitologia, então saber o que na Bíblia é literalmente verdade e o que é parábola é muito difícil.

Existem pessoas que sabem disso e acreditam que os milagres de Cristo podem ser parábolas. Então é muito difícil saber, eu não sei.

Quando os espíritas rezam, pedem para Jesus. O próprio Espiritismo conta de um fenômeno de quando você reza para um espírito, outros acabam te atendendo, porque aquele espírito que você rezou pode estar atarefado ou até mesmo encarnado, como pode ser o caso em que rezamos para Santos, Mestres da Luz e etc.

Nessas orações, muitas vezes a gratidão de algo bom que aconteceu também fica para Jesus, ao invés das almas que trabalharam para você ter o que pediu. Isso também não é muito justo, mas os seres da luz estão acostumados a trabalharem sem termos consciência sobre eles, mas nem por isso se torna algo justo ou correto.

O mestre de Nazaré não tem culpa disso, e nem as pessoas que adotaram esse pensamento achando que era o correto, ou mesmo quem ensinou ou gerou isso achando que era o correto, todos são inocentes, somente quem faz com má intenção é culpado.

O mestre de Nazaré tinha mentores que o acompanham em sua missão, que são seres iluminados que cuidam do nosso mental e trabalham em nossa missão junto conosco. Assim como Chico tinham Emmanuel, Jesus também tinha os que o acompanham.

Existem pessoas que dizem que Jesus era médium, outros que era um mago ou iniciado, acho muito certo que Jesus seja um médium, não me lembro se 70% ou 30% das pessoas são, mas não percebem isso, são inconscientes, são espíritos que ajudam um médico ou psicólogo dando as intuições certas para curar, ou um cientista fazendo descobertas, um advogado ou bombeiro protegendo pessoas, ou até mesmo um religioso ou filosofo ensinando, entre muitos outros.

Não que o nazareno tenha sido um inconsciente de sua mediunidade, provavelmente ele tinha consciência, ou consciência em parte.

Existe uma frase na Bíblia em João 14:6 que afirmam que é dita por Jesus, e é assim: Eu sou o caminho, a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.

Muitos acreditam na superioridade do Cristianismo perante as outras crenças por causa desta frase, mas Buda se iluminou mais ou menos 500 anos antes da encarnação de Cristo, então essa frase é falsa, e se ouve manipulação da verdade, nada impede que essa frase seja falsa.

Diversas outras religiões antes de e depois de Cristo ensinavam e ensinam sobre Deus, e diversas pessoas se iluminaram nelas, então essa frase é irreal.

O Espiritismo diz que existe edição na Bíblia, e se a bíblia foi editada, nada impede que sejam criadas frases, assim como cortadas.

O Espiritismo ainda fala que Jesus ter sofrido na cruz não era karma, era a missão dele.

O Kardecismo diz que o sofrimento pode ser karma ou ser a missão da pessoa sofrer.

O Espiritismo ainda ensina que Deus é infinitamente bom e justo.

Pegando o lado da justiça divina: seria justo alguém sofrer sem ter feito nada de ruim para causar seu sofrimento?

Como Deus pode ser infinitamente justo quando alguém sofre sem ter feito nada para aquilo acontecer com ele?

A lei do kama diz que tudo o que fazemos volta para nós, seja bom ou mal.

A pessoa que trouxe essa visão para a Doutrina dos Espíritos não concebia como Jesus sendo tão iluminado, ou sendo o próprio criador, pode ter criado um karma para sofrer.

Poderiam ter pensado que Cristo sendo um ser tão iluminado, até mesmo perfeito, teria passado pelo momento onde era menos espiritualizado há muito tempo, talvez muitos milênios, e já queimado todo o seu karma negativo.

Cristo só se tornou um iluminado na vida em que sofreu na cruz, podendo ter trazido de outras vidas karmas ruins.

Jesus não foi o único iluminado que sofreu muito em sua vida, Chico Xavier, Buda, Gandhi, entre muitos outros também, mostrando que mesmo as pessoas muito elevadas ainda tem karmas para resgatar.

Esse é um motivo de que não devemos condenar as pessoas pelos seus karmas.

Textos complementares: O Evangelho de Tomé, Esquecimento na Encarnação dos Iluminados e Manipulações do Poder no Catolicismo.

Ainda falando sobre outros assuntos que tocamos no texto: Porque não devemos condenar uma pessoa pelo seu Karma.